sexta-feira, 29 de abril de 2011

EXISTÊNCIA


Somos um ínfimo no meio de tudo,
Por entre os mundos.
Um átomo perdido que acredita que tudo
É tão grande quanto a sua própria dimensão.

Um sopro raro no cosmos da vida,
Enquanto somamos idades
Que acreditamos serem longas
E são tão curtas que a ausência dói.

O que há além do que compreendo, não sei
E me perco, às vezes, tentando entender
Que a eternidade é tão longa
E a existência é tão curta e estúpida.

Pensamos pouco. Falamos muito.
Guerreamos por líquido e papel.
Valorizamos o que é possível mensurar
E ignoramos a sanidade do amor.

Um infinito singular no universo da vida.
Uma complexidade de sentimentos que não se entendem,
Que pouco convivem e que se explodem
Na materialização de símbolos que ferem.

É cedo para o sol... tarde para a lua.
É cedo para o céu que se esconde nas nuvens.
É cedo para o ano, o dia ou a próxima hora.
É cedo para tudo que é mais cedo que eu.

Energia que grava o tempo,
No breve tempo de estarmos onde estamos.

Riva Moutinho 29/04/2011

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...